domingo, 12 de janeiro de 2014

É. Eu assumo. Tenho andado com um pouco de medo. Na verdade, muito medo. Tô superando meu medo bobo de "as coisas não vão dar certo" e  tô substituindo por outro " não consigo deixa o passado pra trás". Eu continuo lembrando de você, pensando em você que simplesmente sucumbiu da minha vida. Não sinto mais dor, nem arrependimento (quase não). É só algo meio esquisito, que nasce lá dentro da alma...Um sentimento estranho, de perder algo todo dia..todo instante. Como se eu te perdesse cada vez que lembrasse.
Enquanto digito olho pro anel que você me deu. Foi o seu primeiro presente, a sua primeira forma de mostrar que gostava de mim. Muitas presentes seus eu perdi, descuidei..deixei cair. Mas esse anel incrivelmente reapareceu, tipo assim do nada. E mais do nada ainda, coloquei ele no meu dedo...É como se eu ainda quisesse que parte sua permanecesse comigo. Porque dói saber que tudo mudou, dói saber que eu lembro de você sozinha...que hoje você é simplesmente indiferente comigo.
Não vou lutar por você, não vou sequer dizer isso que eu tô escrevendo. Percebo que eu era o "veneno" da sua vida que precisava imediatamente ser eliminado.
O tempo passa rápido, e eu queria poder te dizer que não sou mais aquela menina que um dia te abandonou, te traiu, te banalizou...mas, na verdade, eu nem sei quem sou.
Na verdade, a única coisa boa que eu tô sentindo agora é me ver cercada de amizade, nos momentos de alegria eles te substituem, nos momentos de carência sempre tem uma carinha por aí, mas nos momentos de tristeza...Cadê você?

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

doismilequartoze

-
É, eu sei que é milagre demais acredita que uma simples madrugada de um ano pro outro pode mudar tudo. Ou que a minha vida vai mudar totalmente de um ano pro outro.  Mas hoje eu vi que a vida não vai esperar que eu resolva minha crises existenciais, muitos menos que eu me torture por erros passados. O tempo corre e onda me leva. As coisas aconteceram exatamente do jeito que era para acontecerem. E não existe alternatividade nisso.