domingo, 9 de dezembro de 2012

É como se eu gostasse tanto dele e ao mesmo tempo soubesse que nós nunca daríamos certo. E por causa disso começava a trata-lo mal, a dar mil motivos pra ele me odiar. E quanto mais ele me odiava, me desprezava mais eu gostava dele. Gostar tanto da única pessoa do mundo que não me era permitido gostar. Odeio o jeito que ele fala, o jeito que se veste, odeio suas trancinhas sujas, suas roupas velhas, seu sorriso amarelo...Odeio tudo nele!
Sexta, na festa de fim de ano, eu disse que sentia nojo dele toda vez que o olhava. Mas, sabe que eu não menti? Sinto nojo, mas não dele...sinto nojo de mim por amar tanto alguém e não saber lidar com isso. Porra, se as pessoas que sabem amar soubesse o tanto de inveja que eu tenho delas. Elas amam e sabem amar do jeito correto. Eu só amo, amo e amo. E não sei o que faço com essa bosta de amor. Quanto mais eu te amo, mas te trato mal. E sabe o que eu acho mais triste? Sabe o que doí de verdade? Saber que você não liga, não se importa.